quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Miles Davis - In a Silent Way (1969)




Olá!
Está aqui um post inconvencional: não vou postar o link para download, pois, como se trata de uma pessoa famosa, de grande importância para a música e para as artes, todo esse lance de direitos autorais é mais severo do que com nomes meio/não conhecidos. Então, se você quiser baixar, vou tentar postar uma lista de sites que tenham o link, ou você pode ir na galeria Nova Barão, lá no centro de São Paulo, que com certeza tem um discão lindo te esperando.
Enfim.

Miles Davis, quem nunca ouviu falar de Miles Davis? Ele é uma figura bastante enigmática no mundo da música. Escolhi esse disco por que eu acho ele muito bom e também por que é um disco-símbolo de mudanças no jazz, no rock, e na música ocidental de modo geral.
In a Silent Way foi gravado em 1969, só com um pessoal da pesada:
  • Miles no trompete;
  • Wayne Shorter no sax soprano;
  • John Mclaughin na guitarra elétrica;
  • Chick Corea e Herbie Hancock nos pianos elétricos;

  • Josef (Joe) Zawinul no orgão;
  • Dave Holland no baixo;

  • Tony Williams na bateria.

No meu post anterior falei da Betty Davis: foi nesse período que os dois estavam casados; que Miles conheceu Sly Stone e Jimi Hendrix; que passou a se relacionar mais com o que estava rolando na música fora-do-mundo-do-jazz.

Foi nessa época também que o Miles Davis's Quintet começou a se “desfazer”(ou melhor, tomar novos rumos): Ron Carter não é mais o baixista. Em contrapartida à organização mais comum do jazz os efeitos de guitarra, assim como a própria guitarra e os instrumentos elétricos (que passaram a ter um papel mais importante em suas composições). Até mesmo o trompete de Miles com delays, reverbs, wah-wah. Tudo isso indica uma grande mudança, e esse disco simboliza isso.

Vale ressaltar também que houve um certo rompimento com o esquema clássico de gravação nesse disco também: as faixas foram gravadas separadas e depois editadas juntas no estúdio, fazendo uma faixa mais longa (e que nesse caso incorpora a forma de sonata, que em uma explicação rápida consiste primeiro na exposição de um tema, o desenvolvimento de tal tema e por último a recapitulação do tema da exposição). Na primeira faixa, Shhh/Peaceful, os últimos 6 minutos são os mesmos 6 minutos iniciais (embora seja muito difícil perceber isso através de uma experiência sensível). O homem responsável por fazer isso foi Teo Macero (e só pra dar uma idéia, ele quem produziu o Kind of Blue do Miles, o Ah Um do Mingus, o Time Out do Brubeck, além de produzir alguns nomes como Ella Fitzgerald, Duke Ellington, Thelonius Monk, Count Basie, Byrd, Tony Bennet e Stan Getz).

Os críticos de jazz não sabiam como agir perante esse disco, nem os críticos de rock. “Isso não é jazz, isso é rock!” diziam os jazzistas; “isso não é rock”, dizia a crítica de rock, e a "verdade" é que não se tratava nem de rock, nem jazz, era algo novo: Miles misturou elementos de ambas culturas e ainda mais, fazendo algo novo, que viria a ser chamado de fusion, ou seja, a fusão de tudo que estava rolando, desde a música, até a luta contra o preconceito, o mundo divido, as guerras que rolavam. E Muita coisa estava rolando.

Faixas:
  1. Shhh/Peaceful (Miles Davis)
  2. In a Silent Way/ It's About That Time (Joe Zawinul/Miles Davis)

Bom, não vou postar o link para download, mas, para não deixar na mão, vou colocar alguns links que possam ser úteis na sua pesquisa.
Abraço!






Um comentário:

Anônimo disse...

Links:
http://povosdamusica.blogspot.com.br/2011/07/download-miles-davis-in-silent-way-1969.html

http://pensandoprafrente.blogspot.com.br/2011/07/download-miles-davis-in-silent-way-1969.html

http://hemissroad.blogspot.com.br/2011/12/miles-davis-in-silent-way-1969.html

torrent:
http://thepiratebay.se/torrent/6114029/Miles_Davis_-_In_a_Silent_Way_(1969)_[Jazz][320_kbps][schon55]