quarta-feira, 26 de maio de 2010

Herbie Hancock - Head Hunters (1973)


No embalo a gente manda dois numa semana né não?
Bom, lançado em 1973, depois de onze outros discos o Head Hunters tem uma levada para o funk e para o fusion, facilmente reconhecida pelas variações de teclado e uma sonzeira pra lá de excitante.
Hebie Hancock é um conceituado pianista de jazz, nascido na cidade de Chicago, em 1970, ganhou muito destaque quando em 1963 se juntou a Miles Davis com um dos novos grandes músicos que surgiam no cenário norte americano. Os álbuns Mwandanshi, uma fase do compositor no meio da década de 60 são o começo do fusion e ao passar essa faze o pianista decidiu se dedicar ao funk.
Na década de 70 depios de declarar muita admiração pelo som do Sly & The Family Stone o pianista resolveu juntar uma nova banda. Tocaram com Herbie Hancock, nesse disco, o brilhante Bennie Maupin, multi-instrumentista de sopro, que já havia se juntado a Herbie para formar um sexteto, Paul Jackson no baixo, Bill Summers fazia a percussão e Harvey Mason juntava tudo numa funkeadíssima bateria.
O disco começa com a extensa e intesa "Chamaleon", uma música de quinze minutos que te faz pirar em qualquer momento, uma levada de órgão e sintetizador brilhante e uma base de baixo reconhecível até por quem é surdo. A bateria junta tudo numa levada muito funkeada. Em seguida entram os metais, uma brilhante linha do genial Bennie Maupin. A partir de então começa a safadeza. Começam solos malucos e cheios de influências do fusion e uma pegada cheia de groove. Música para tocar no talo dentro do carro e fazer a Marginal do Tietê inteira às 19h mexer a cabeça.
Depois vem outro clássico que é "Watermelon Man", lançada anteriormente no primeiro disco do compositor (Takin' Off), como um belo jazz, em 1962. que começa com uma brilhante composição de sons de flauta, entra depois a excitante cozinha cheia de groove e moleza. Aparece então o som de quem aprumou tudo, Herbie Hancock dá uma lição de sintetizador de tirar morto da cova. A linha de saxofone te faz fechar os olhos e simplesmente pirar.
"Sly" a seguir é outro som incrível, uma linha simples, cheia de groove com os metais jogados juntos ao sintetizador, mas vale o destaque nessa música para a bateria e a percussão que fazem um trabalho incrível. A música ainda progride para dois momentos diferentes, um super funk cheio de soul e depois parece acelerar numa espécie de música latina e eletrônica, psicodelia herdada do fusion.
Encerrando o curto, preciso e espetacular disco, que vai me poupar de algum trabalho na listagem de faixas, Vein Melter começa com um baixo cheio de efeitos, distorção e wahwah parecem ecoar no pesado som da funkeada linha. Os sons feitos por Bennie Maupin em seguida são tranquilos, com muita coisa originada do jazz. Com algumas partes orquestradas a música soa como uma marchinha de funk e fusion. Sonzeira bem bacana.
Baita cdzaço esse aqui e você vai precisar dele no seu computador, é um grande marco da música popular ocidental, por originalidade sonora, do gênio Herbie Hacock para as suas orelhas, lhes dou o Head Hunters.

Faixas
  1. "Chamaleon" (Hancock/Maupin/Jackson/Summers) 15:44
  2. "Watermelon Man" (Hancock) 6:32
  3. "Sly" (Hancock) 10:21
  4. "Vein Melter"(Hancock) 9:12
link nos comments

3 comentários:

lampiao disse...

http://kwwcss.link-protector.com

Carolina Belizário disse...

TKS! Estava mesmo buscando esse álbum!

Lampeão disse...

http://lix.in/-85de8d