domingo, 15 de agosto de 2010

Captain Beefheart & His Magic Band - Safe As Milk (1967)

Cara, me caiu agora a ficha de que não tem Captain Beefheart no Saqueando a Cidade. Falha gravíssima, devo dizer.
Don Van Vliet, o Beefheart, sempre foi uma criança criativa. Segundo o próprio, quando não estava por aí com seu melhor amigo Frank Zappa, estava trancado no quarto pintando e tinha de ser alimentado por um buraco na porta. É de se esperar, portanto, que suas composições sejam, no mínimo, excentricas. Pois é, camarada leitor, são sim, mas não perdem o brilho. Aliás, muito pelo contrário! São um exemplo a ser seguido em termos de experimentalismo, blues e psicodelia.
Em 1968, Beefheart formou a Magic Band e lançou o primeiro de muitos álbuns recheados de insanidades: Safe as Milk. O ar disciplinado do grupo na capa do disco e nos encartes garantiam um tom de requinte, pompa e circunstância em meio aos músicos junkies da década de sessenta. Para a surpresa geral do público, o interior da fruta é mais exótico do que o esperado. A pérola abre com a bluezeira "Sure Nuff 'n Yes I Do", sonzasso movido a slide guitar. "Zig Zag Wanderer" dá uma acelerada bastante surtada no ritmo do disco, que acaba diminuindo com "Call On Me". Dropout Boogie é mais uma doidera, bem ritmada e um pouco repetitiva, mas ainda assim interessante.
Mas vejam bem, não é só de excentricidades que o Capitão e sua trupe vivem. "I'm Glad" é uma balada bem soul, com uns back vocals bem transcedentais, realmente bem agradável e apaixonante. "Electricity", por outro lado, exala criatividade, especialmente pelo uso do theremin para os efeitos de fundo. A seguir, "Yellow Brick Road", uma interpretação satírica do universo de Oz, com um hilário tom infantilóide. O ponto alto do disco é "Abba Zaba", peça bizaríssima sobre um babuíno faminto e assassino. Destaque aqui para a percussão e as cordas, que dão à música um tom meio oriental.
"Plastic Factory", "Where's That Woman", "Grown So Ugly" e "Autumn's Child" encerram esta obra de arte, levando o som para algo um pouco menos freak, mas de igual qualidade. Vale citar também as faixas bônus, completamente despirocadas, excêntricas e indescritíveis. "On Tommorow", em especial, é uma bluezeira instrumental praticamente alucinante!
Como já deve ter ficado claro, é uma obra necessária para qualquer um que goste de música decente. E pros que não gostam também, vale a pena conferir. Beefheart é o ouro dos anos sessenta, não há porque não ouvir.
E tenho dito!

Faixas
1 - Sure 'Nuff 'n Yes I Do
2 - Zig Zag Wanderer
3 - Call On Me
4 - Dropout Boogie
5 - I'm Glad
6 - Electricity
7 - Yellow Brick Road
8 - Abba Zaba
9 - Plastic Factory
10 - Where There's Woman
11 - Grown So Ugly
12 - Autumn's Child
13 - Safe as Milk (Take 5)
14 - On Tomorrow
15 - Big Black Baby Shoes
16 - Flower Pot
17 - Dirty Blue Gene
18 - Trust Us (Take 9)
19 - Korn Ring Finger

Ouça gratuitamente no Spotify!

2 comentários:

Anônimo disse...

Cara, eu amei a sua descrição do Captain Beefheart, você descreveu muito bem esse mundo psicodélico, alucinante e maravilhoso que é a obra desse artista e sua banda!
Se você puder, por favor, também poste o albúm Captain Beefheart - Clear Spot (1973) pois também é maravilhoso!!!
Um grande abraço!

Phil Bonniwell disse...

Meu caro, agradeço em muito os elogios! Fico contente que tenha gostado e mais contente ainda pelos comentários. O Clear Spot eu ainda não tive a chance de ouvir, mas tenha certeza de que ele virá a ser postado um dia por aqui! Abraço forte!