terça-feira, 26 de janeiro de 2010

Blue Cheer - Vincebus Eruptum (1968)

http://www.angryhippy.net/images/Blue_Cheer_-_Vincebus_Eruptum.jpg

Enquanto em 1967 os hippies faziam amor e música, um power trio chamado Blue Cheer, baseado em San Fran tirou seu nome d'um tipo de LSD das ruas de lá e preparava e gravava o seu primeiro LP, inaugurando uma era de som no talo, guitarras sujas e riffs. Lançado em janeiro de 1968, Vincebus Eruptum possuí seis músicas, três de autoria própria e aproximadamente meia hora de uma sonzeira forte e dificil de ser classificada naquele tempo: eram os principios do punk e do rock mais pesado.

O disco vai direto ao assunto,rude e poderosamente abrindo com a sua ameaçadora e excelente versão de “Summertime Blues”. A versão de “Rock Me Baby” é suave para os padrões da banda, um pouco mais limpa, sem tanta saturação e efeitos. “Doctor Please” é uma das melhores do disco - uma bad trip de Peterson sobre sua relação com as drogas .A guitarra começa um solo longo,no início mais limpo, porém uma hora ele relembra sua tarefa e engata uma quinta, mandando uma montanha de feedback.

Já em “Out Of Focus” a voz blueseira de Peterson dá o tom, e o ritmo de bad trip continua.O Blue Cheer pega toda a tranquilidade de Parchment Farm e joga no lixo, enfiando uma saturação com um fuzz do caralho. Em "Second Time Around" há também um merecido solo de bateria depois da tanta ralação em todas as faixas, com um destaque para o baixo sólido e incrivelmente limpo antes de outra enlouquecedora trip sonora de feedback e sujeira que acaba o disco em tão alto nível – literalmente- como começou.

Neste disco , com um ritmo forte e sonzera suja, é impossível de não perceber a onda nua e crua que vinha se preparando e que surgiria nos anos seguintes, riffs que prenunciavam o punk e hard que estava se preparando ( em 1969 sai um dos marcos do Hard Rock, o Led II), com uma bateria incessante e um baixo e voz que coordenavam toda essa zona. Porém é bem visível a influência hippie, blues e country, seja pelas letras ou escolha de música.

Esses pais do roque pesado e de ritmos mais fortes são a ressaca do hippie e suas idéias. São o lado B daquela era, que já se acabava, escarambalhada pelos ácidos e erva e tantas outras substâncias. Já estavam cansados de amor, queriam mais é tocar mais alto que qualquer coisa, porra.

2 comentários:

Giselle disse...

Muito bom!
Obrigada :D

Anônimo disse...

http://www.mediafire.com/?2imqaajht46rvzr e arruma-se de novo